Jornal A Praça - O Jornal de Iguatu

Você está aqui: Arquivos Entrevistas Entrevista: Raimundo Neto Carvalho Lima

Entrevista: Raimundo Neto Carvalho Lima

E-mail

 

Os desafios trazidos pelo envelhecimento da população têm diversas dimensões e dificuldades, mas nada é mais justo do que garantir ao idoso a sua integração na comunidade. O envelhecimento da população hoje influencia ainda mais o consumo, principalmente por políticas de interesses voltados para esse público. É um processo normal, inevitável, irreversível e não uma doença. Portanto, não devemos tratar apenas com soluções médicas, mas também por intervenções sociais, econômicas e ambientais.

No dia 01 de outubro é comemorado o Dia do Idoso. Nessa edição entrevistamos Raimundo Neto Carvalho Lima, especialista em gerontologia e presidente do Conselho Municipal do Idoso de Iguatu.

A Praça - De início você pode explicar um pouco sobre o que é um profissional gerontólogo. E qual o ramo de atividade ele desenvolve?

Raimundo Neto - É o especialista que estuda a velhice e o envelhecimento humano em seus aspectos biológicos, psicossociais e culturais. O ramo de atividade é o serviço social.

A Praça - Qual a diferença entre um especialista em gerontologia e um em geriatria?

Raimundo Neto - Gerontologia é multi e interdisciplinar cujas finalidades são estudo das pessoas idosas, das características da velhice enquanto fase da vida, o processo de envelhecimento e seus determinantes biopsicossocias. Geriatria é a especialidade médica que tem sob seus domínios os aspectos curativos e preventivos de atenção à saúde do idoso, com uma estreita ligação com outras áreas médicas como neurologia, cardiologia, psiquiatria e com outras específicas como nutrição, enfermagem, fisioterapia, terapia ocupacional, psicologia, fonoaudiologia, odontologia e serviço social.

A Praça - No dia próximo dia 01 será comemorado o Dia do Idoso. Como o você analisa o papel dessas pessoas na sociedade?

Raimundo Neto - Em todas as civilizações e sociedades o idoso sempre teve e terá um papel importante, pela sua história de vida, pela sua contribuição através do trabalho, pela sabedoria acumulada, pela perseverança e pela memória. Pois tem a experiência de vida.

A Praça - A sociedade dá o valor que o idoso merece?

Raimundo Neto - Infelizmente para a nossa sociedade o idoso não é reconhecido pelo seu valor. Vivemos numa sociedade que supervaloriza jovens de corpos esculpidos e sarados, bem como o novo que está em fase de produção, e descarta os mais velhos como se fossem inúteis, assexuados, enfermiços, ultrapassados e que já passaram do seu tempo o que só aumenta cada vez mais o nível de marginalização, uma vez que essa desvalorização vai se ampliando para as novas gerações que praticamente estão perdendo seus referenciais, modificando e invertendo valores que são universais, como o respeito ao ser humano.

A Praça - E as políticas governamentais de saúde, transporte, alimentação, seguridade social, trabalho entre outras são favoráveis a essas pessoas?

Raimundo Neto - A Política Nacional do Idoso, através da lei 8.842, e o Estatuto do Idoso estão aí para serem colocados em prática, acompanhado e fiscalizado pela sociedade e principalmente pelos próprios idosos. Precisamos mobilizar os idosos para que conheçam seus direitos e lutem para a execução dos mesmos. Pois de um lado temos os idosos que não os conhecem e do outro, os profissionais que não estão preparados gerontologicamente para um atendimento humanizado e de qualidade, daí a necessidade de constante aprimoramento técnico aos que atendem o público idoso em toda as áreas.

A Praça - E o que ainda tem que ser melhorado para chegar a esse ser esse modelo?

Raimundo Neto - Estruturas físicas e capacitação técnica contínua para os profissionais que os atendem e principalmente o cuidado para não confundir exercício de cidadania com assistencialismo/paternalismo. Pois o idoso enquanto cidadão de direito, jamais poderá ser comparado e atendido como se fosse uma criança, ou como um coitado que só precisa de um pouco de forró e de merenda para ser feliz.

A Praça - Em relação à questão da locomoção e locais adaptados para as pessoas da terceira idade, o que ainda precisa ser feito?

Raimundo Neto - Em algumas instituições que atendem o público idoso como lojas, laboratórios, farmácias, bancos precisam fazer algumas adaptações como instalação de rampas, corrimãos, banheiros com barra de ferro, espaços bem iluminados, batentes, escadas sinalizados principalmente uma atenção maior à fala dos idosos que muitas vezes os profissionais do atendimento parecem não ter paciência ou tempo para ouvi-los.

A Praça - Qual o papel do Conselho Municipal do Idoso?

Raimundo Neto - Defender os direitos da pessoa idosa previstos em lei. Ser instrumento da democracia direta ou semidireta, sem deixar de reconhecer a importância da democracia representativa, e ter com as instituições e os seus mecanismos relações recíprocas e complementares.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar