Jornal A Praça - O Jornal de Iguatu

Você está aqui: Arquivos Entrevistas

[Entrevista] - Wilson Maia, arquiteto

E-mail
Foto: Divulgação
Arquiteto Wilson Maia
“Arquitetura é uma vocação, um talento, é uma expressão de arte, claro que aliado à técnica. Sem esquecer também do estudo, da pesquisa e da leitura.”


A Praça - Iguatu vem recebendo novos equipamentos de lazer e de embelezamento em sua estrutura física, como praças, novas avenidas e equipamentos públicos. Como você avalia essas mudanças que vêm acontecendo na cidade?

Wilson Maia - Iguatu vive um momento ímpar em sua história. A cidade que é pólo da Região Centro-Sul, há muito tempo clama por um lugar no cenário político-sócio-econômico do estado do ceará digno de sua real dimensão. A administração do Dr. Agenor Gomes de Araújo Neto surge nesse feliz contexto, com uma dinâmica em seu modo de gerir, promovendo de maneira jamais vista, ações em todos os segmentos, levando com uma equipe profissional comprometida, o município de Iguatu ao desenvolvimento.

A Praça - Recentemente foram inauguradas três praças, Antônio Ferino, Deusdedith Teixeira e a praça Maestro Eleazar de Carvalho. Você é responsável por estar de certa forma mudando a vida e o dia-a-dia das pessoas da cidade. Qual o seu estilo de arquitetura? E o que isso representa em sua vida profissional?

Wilson Maia - Arquitetura é técnica, conhecimentos gerais e bom senso, aliados à arte, se constituindo numa forte expressão profissional, onde o reflexo do trabalho é sentido de forma direta, seja visualmente, fisicamente ou psicologicamente pelo ser humano. Nas suas vertentes, encontramos como exemplos, os projetos de edificações, design, comunicação visual, urbanismo, etc. No atual contexto, o urbanismo se destaca por traçar novas linhas na malha urbana da cidade. O perfil urbano de Iguatu começa a se configurar de forma ordenada, no propósito de realmente mudar a qualidade de vida das pessoas, respeitando sua cultura, seus hábitos e, sobretudo a dignidade do cidadão. Com isso a população ganha logradouros públicos com mobiliário urbano personalizado, iluminação específica, rampas para acessibilidade de deficientes físicos, entre outros. O espaço público passa a ser utilizado com conforto, segurança, e torna-se convidativo despertando interesse econômico em investimentos para nossa cidade. Pois o grande empresário, o industrial, avalia também a infra-estrutura urbana de uma cidade, antes de se estabelecer. Prefiro não me referir a um estilo arquitetônico, a um rótulo para meu trabalho. Tudo está sendo pensado com muito carinho, atendendo normas técnicas, especificando matérias atuais, modernos e de comprovada resistência. Estamos concebendo projetos com o objetivo de um desenho atual, arrojado e que traga sensações confortáveis para as pessoas. A orientação que recebemos do Dr. Agenor, que pessoalmente se empenha e acompanha nosso trabalho, foi de fazer o melhor, o funcional e o moderno com riqueza de detalhes. Para um profissional, ter a oportunidade de desenvolver um trabalho, principalmente na esfera pública, com esse nível, com planejamento dentro de um panorama macro e abrangente, convivendo com uma equipe competente, sem dúvida é muito recompensador e um marco na minha carreira. Para mim, principalmente por ser filho de Iguatu e nutrir um amor muito grande por essa terra, certamente é uma realização.

A Praça - E a inspiração para criar cada local desses e os monumentos, vem de onde?

Wilson Maia - Arquitetura é uma vocação, um talento, é uma expressão de arte, claro que aliado à técnica. Sem esquecer também do estudo, da pesquisa e da leitura. A inspiração surge naturalmente. Quando fazemos com prazer e comprometimento um trabalho, o resultado é sempre satisfatório.

A Praça - O bairro Prado recebeu mais uma obra-prima, porque se pode dizer que um arquiteto antes de tudo também é um artista. Qual sentido você quis passar nesta obra?

Wilson Maia - Você se refere à praça Maestro Eleazar de Carvalho. Antes de tudo ela surge como conseqüência do planejamento da nova Avenida Adil Mendonça / Dr. José Montenegro. Modificamos o desenho viário naquele ponto a fim de eliminarmos um conflito de tráfego de veículos que fatalmente iria acontecer nas proximidades da passagem de nível da Avenida 21 de abril rumo ao semáforo do Alto do Jucá, se essa decisão não fosse tomada. Com isso redesenhamos o encontro das duas avenidas, 21 de abril com Adil Mendonça, criando duas novas praças, Deusdedith Teixeira e Maestro Eleazar de Carvalho.  Nesse ínterim, como marco às avenidas e entrada da cidade, pensamos uma praça com um monumento de boas vindas à cidade de iguatu, bem como uma estrutura dedicada justamente ao filho ilustre de nossa terra, maestro Eleazar de Carvalho. O obelisco com a logomarca de Iguatu, também criada por nós, vem no sentido de acolher o visitante, de apontar para cima, reacendendo a auto-estima do iguatuense, e avisando, pedindo passagem  abrindo alas, aflorando par o desenvolvimento, representando o futuro.

A Praça - O que já foi feito. E o que falta a ser concluído?

Wilson Maia - Como eu já havia dito, o planejamento é macro, tudo está sendo pensado ordenadamente constituindo uma cadeia de ações. O município está sendo preparado para o desenvolvimento em todos os segmentos. Como exemplos podemos citar o novo aterro sanitário, saneamento e drenagem das avenidas Adil Mendonça / Dr. José Montenegro, leis que preservem nossas lagoas e áreas verdes do município, saneamento, postos de saúde, etc. Já foram inauguradas muitas obras, dentre elas a Praça Caxias, a Praça Francisco Airton Jucá e também a Praça Gonçalves de Carvalho. As metas a serem alcançadas são muitas, mas podemos citar alguns projetos que logo serão realidade, como a urbanização do entorno da Praça da Matriz, a rua Dr. João Pessoa, urbanização da avenida Cruzeiro do Sul, que passará a ser denominada Ailton Alexandre. A nova avenida será duplicada, contará com calçadas de um lado e do outro, ganhará uma urbanização com equipamentos públicos, feita no morro localizado próximo a entrada da Avenida Dário Rabelo.

A Praça - Estas mudanças e modernizações por que vem passando o município em alguns locais serve de críticas principalmente por grupos políticos que dizem que administração não está preocupada em preservar o lado histórico. Você pode falar sobre esse assunto.  Há preocupação em também preservar a história da cidade?

Wilson Maia - Como arquiteto e urbanista, tenho a obrigação profissional e moral de me preocupar com a cultura e a história da cidade. Não pretendo aqui avaliar a situação através de um prisma político. Entendo que para se desenvolver, algumas intervenções na cidade terão que ser feitas, como aberturas de vias, desapropriações, remanejamento e relocação nas ocupações de determinados imóveis, etc. Contudo, antes de ser tomada qualquer decisão, alguns critérios são aplicados para tais intervenções. Se constatarmos que determinada edificação ou monumento não tem valor arquitetônico expressivo ou mesmo histórico para a população, digo o coletivo, não um grupo isolado, além do estado de conservação em que se encontre, muitas vezes abandonados, certamente embasados nesses critérios, optaremos pela mudança se, é claro, for para o bem coletivo. Quanto a preservar a história da cidade, esse é um assunto amplo, que deve ser discutido. Estamos conscientes dessa importante ação. Acho que as pessoas não devem se precipitar em julgamentos, pois ainda virão muitas oportunidades pela frente, resgates históricos, museus, incentivos à cultura e a nossa história. Mas tudo é válido, viva a democracia!

A Praça - De todos esses projetos que você vem desenvolvendo, há algum que tem um carinho especial? Qual?

Wilson Maia - O meu principal projeto é profissional e de vida também. É poder contribuir para que Iguatu venha a se afirmar como um referencial de prosperidade e desenvolvimento.

Foto: Arquivo
Monumento construído na rua 21 de abril tem a assinatura do arquiteto Wilson Maia
A Praça - Ainda sobre o desenvolvimento arquitetônico de praças, logradouros e equipamentos do município. Você pode nos revelar o que ainda está sendo criado? E o impacto que vai gerar no município?


Wilson Maia - Outros projetos estão em andamento, alguns eu posso citar, outros vamos deixar para outro momento. Tais como Centro de Convenções e Eventos, abrigo público (líder café), novo mercado central, etc. Juntamente com outros projetos de caráter estruturante para o município, o impacto será extremamente positivo, mudando de uma forma definitiva a configuração urbana, social e econômica de nossa terra. Iguatu vive uma fase histórica, um momento divisor de águas. O gráfico do progresso a partir de agora é crescente e sem depressões, graças ao trabalho, ao profissionalismo e arrojo de uma gestão comprometida com seu povo.

A Praça - Esteja à vontade para falar sobre seus projetos, sua formação profissional e considerações finais.

Wilson Maia - Atuamos elaborando projetos, executamos obras e prestamos consultorias relativas a arquitetura e urbanismo. O nosso escritório é estabelecido em Fortaleza, tem o nome e a marca Projetos Arquitetura. Contamos com alguns colaboradores na equipe, com destaque especial para o arquiteto Élson França, sócio e braço direito nessa empreitada. A minha formação é Arquiteto e Urbanista, pós-graduado com especialização em Engenharia Urbana. Agradecemos a oportunidade ao Jornal A Praça, veículo de informação competente e independente, pelo qual aguardamos ansiosamente toda semana para nos mantermos atualizados sobre Iguatu e a Região.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar