Jornal A Praça - O Jornal de Iguatu

Você está aqui: Arquivos Entrevistas

[Entrevista] - Eunício Oliveira, Candidato a Dep Federal (PMDB)

E-mail
“... defendi a necessidade da interiorização das universidades federais, para que jovens não tenham que migrar para as grandes cidades, como eu mesmo tive que fazer.”

Para saber quais são as prioridades a serem defendidas pelos candidatos a deputado federal, votados nos municípios do Centro-Sul, o jornal A Praça publica também série de entrevistas com os postulantes as vagas na Câmara dos Deputados, em Brasília. O ex-Ministro das Comunicações, deputado Eunício Oliveira, candidato à reeleição pelo PMDB, está entre os entrevistados. Aqui ele fala de seus projetos políticos, a troca da candidatura de Senador por deputado federal, e da ‘Lei do Trabalhador’, que foi recentemente aprovada e está se transformando no principal tom de seus discursos em palanque.


A Praça - O senhor disputou até a última hora a vaga da candidatura de Senador, na chapa do candidato ao governo Cid Gomes. A desistência para concorrer novamente à Câmara Federal foi um projeto do seu partido ou a estratégia foi fortalecer o grupo?

Eunício Oliveira - O projeto da candidatura ao Senado era uma exigência do meu partido- PMDB, porém um projeto político, pelo menos do meu ponto de vista, deve ser coletivo e não apenas feito de interesses pessoais. Foi pensando assim que para construir um novo modelo político e econômico para o Ceará, retirei minha candidatura, prevalecendo assim o interesse coletivo em detrimento do individual.

A Praça - O presidente Lula declarou em público que o senhor foi um grande colaborador do governo, quando ocupou o Ministério das Comunicações. Isso o envaidece de alguma forma?

Eunício Oliveira - Claro que sim, quem está na vida pública visando exclusivamente ao bem comum, o maior prêmio almejado é o reconhecimento do seu trabalho, e em se tratando da manifestação pública da maior autoridade da nação, no caso o presidente Lula, causa em mim orgulho, mas ao mesmo tempo aumenta a responsabilidade de continuar o trabalho iniciado desde que optei pela vida pública.

A Praça - Um anseio dos estudantes e dos pais do Centro-Sul é a Universidade Pública e gratuita. Este pleito sempre foi a tônica dos políticos em períodos de eleição, mas nunca saiu do papel. Agora a luta dos estudantes se fortaleceu, com um sinal do presidente Lula em viabilizar o projeto. No que o deputado Eunício poderá ajudar a tornar este sonho realidade?

Eunício Oliveira - A manifestação do presidente Lula sobre esse asunto na sua visita a Missão Velha foi fruto de conversa minha com o presidente no trajeto de Brasília a Juazeiro, quando defendi a necessidade da interiorização das universidades federais, para que jovens não tenham que migrar para as grandes cidades, como eu mesmo tive que fazer.

A Praça - Na eleição de 2002 um candidato a deputado federal apoiado por um dos grupos políticos do município recebeu uma votação em Iguatu acima de 10 mil votos. Os reclames do eleitorado é que este político não devolveu ao povo, em forma de trabalho, a votação recebida. Como o senhor pretende lidar com este tipo de situação?

Eunício Oliveira - Estou agora na minha terceira eleição, em todos os municípios em que fui votado na primeira eleição continuo sendo votado e com votações sempre crescentes, isso por se só demonstra o reconhecimento do eleitorado ao nosso trabalho. Nunca vivi esse tipo de situação pois sempre pocurei corresponder aos anseios dos cearenses, na última eleição fui votado em 182 municípios do Estado.

A Praça - Quando o senhor era presidente estadual do PMDB houve um mal-estar com o então prefeito de Iguatu, Edilmo Costa, que também pertence ao seu partido. Ele se dizia ‘abandonado’ pela direção estadual da agremiação. Naquela época havia rumores de que o senhor estaria se aliando a políticos que disputavam o poder com Edilmo em Iguatu. O senhor já conseguiu tirar isso a limpo?

Eunício Oliveira - Isso não é verdade, jamais apoiei adversários do meu partido. O ex-prefeito Edilmo Costa nunca fez dobrada comigo porque era politicamente ligado ao ex-deputado Pinheiro Landim, também do PMDB. Quando procurado jamais deixei de apoiar os companheiros de partido.

A Praça - É verdade que o senhor pretende ser governador do Ceará? Se é verdade, porque a candidatura não aconteceu agora?

Eunício Oliveira - Quem está na vida pública e a leva a sério como eu, não pode deixar de almejar governar o seu Estado. A candidatura não aconteceu agora pois a construção de um projeto dessa magnitude não depende somente de vontades pessoais, nesse momento dedico minhas energias na eleição do nosso candidato Cid Gomes.

A Praça - O senhor criou e conseguiu aprovar na Câmara dos Deputados a chamada ‘Lei do Trabalhador’ para beneficiar milhares de rurícolas de todo Brasil que estavam sem condições de negociarem suas dívidas com os bancos e estavam prestes a perderem bens e até a terra onde vivem. Esta Lei resolve o problemas dos agricultores?

Eunício Oliveira - A aprovoção do Projeto de Lei de minha autoria pelo Congresso e sancionada pelo presidente Lula, que carinhosamente chamou de “Lei Eunício Oliveira”, resolve o problema de um milhão e trezentos mil nordestinos que há quinze anos lutavam pela solução para esse grave problema do individamento dos médios e pequenos agricultores com os bancos.

Comentários  

 
#1 thiago 02-10-2010 10:58
eunicio pq vc decidiu apoia neto nunes
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar