Jornal A Praça - O Jornal de Iguatu

Você está aqui: Arquivos Regional Cid Gomes transfere sede do governo do Estado para Acopiara

Cid Gomes transfere sede do governo do Estado para Acopiara

E-mail

Foto:Helany Holanda
Mauro Filho, Dedé Teixeira, Marcos Cals, Ant. Almeida, Cid Gomes, Sarto Nogueira e Perboyre Diógenes durante solenidade de instalação do Governo Itinerante no município de Acopiara
Terça-feira, 27/03, Acopiara escreveu uma página importante de sua história político-administrativa. O município foi a sede do governo do Estado por um dia, dentro do cronograma ‘Governo Itinerante’ quando o gabinete do palácio do governo cearense é transferido para um município do interior. Depois de Iguatu, Icó, Juazeiro, Crato e Barbalha, foi a vez da ‘Terra do Lavrador’ sediar o governo. O governador Cid Gomes levou para o município toda a sua equipe de secretários e assessores.

O governador chegou ao município por volta das 9h15 e foi recepcionado pelo prefeito Antônio Almeida, o vice Tião Mandu, além de outras lideranças locais. Os prefeitos Wilame Alencar, de Mombaça, Agenor Neto, de Iguatu, Alcy Pinheiro, de Piquet Carneiro, Pedro Leandro Neto, de Cariús, Claudenilton Pinheiro, de Deputado Irapuan Pinheiro, Fátima Diógenes, de Saboeiro e Cláudio da Farmácia, de Milhã, também foram prestigiar o evento e levar reivindicações de seus municípios para serem entregues em mãos ao governador.

Lista de reivindicações

O prefeito de Acopiara, Antônio Almeida, disse à imprensa que aquele era um dia memorável, numa oportunidade única do governador trasnferir a sede do governo para o seu município. Quando foi prefeito de Acopiara pela primeira vez, no período de 1993 a 1996, Antônio Almeida também fez história levando para o município em 1995, uma sessão itinerante da Assembléia Legislativa do Ceará.

O prefeito acopiarense entregou em mãos ao governador uma lista de reivindicações. Entre as principais, estão a universalização da cobertura de energia elétrica na zona rural, cujo percentual atual só chega a 80%, e a parceria do governo do Estado na construção da adutora do açude Trussu, em Iguatu para transpor água até o reservatório da cidade.

Compromisso de campanha

O primeiro ato governamental foi a revista das tropas militares pelo governador Cid Gomes seguindo o protocolo oficial do cerimonial do governo. Em seguida o governador foi acompanhado pelas demais autoridades até o auditório do Centro Social onde fez o pronunciamento de abertura. Cid Gomes lembrou da importância de transferir o governo para perto das pessoas e das comunidades, ratificando um compromisso seu de campanha. “Estamos aqui hoje e vamos a outras regiões do Ceará, porque entendemos que é assim que vamos governar o Estado, com o povo participando”. O governador apresentou os secretários do governo à população de Acopiara e da Região.

Na comitiva estavam os secretários Camilo Santana, da Agricultura, Silvana Parente, Planejamento, Mauro Filho, da Fazenda, Marcos Cals, Justiça, Adail Fonteneles, Infra-estrutura, Renê Barreira, Ciência Tecnologia e Ensino Superior, Isolda Cela, Educação, Marcelo Sobreira, sub-secretário da Saúde, Auto Filho, Cultura, Bismark Maia, Turismo, Aloísio Carvalho, Ouvidoria e Controladoria, Roberto Monteiro, Segurança Pública e o secretário de Governo, Ivo Gomes.

Fóruns Regionais

No período da tarde aconteceram fóruns regionais sobre temas diversos fazendo parte da agenda do Governo Itinerante em Acopiara. Os fóruns aconteceram no Centro Pastoral, no auditório do Sindicato dos Servidores.

Um dos eventos mais concorridos foi o Fórum Regional sobre o Biodiesel, coordenado pelo secretário de Agricultura, Camilo Santana. Juntos, governo, prefeitos, secretários municipais e agricultores discutiram amplamente a viabilidade do cultivo da mamona no Estado. O secretário Camilo Santana destacou os incentivos oferecidos pelo governo do Estado e as vantagens de plantar a mamona consorciada com outras culturas. Segundo o secretário, esta é uma das alternativas de geração de emprego e renda mais favoráveis ao homem do campo dos últimos vinte anos.

Ensino Superior

O governo do Estado estuda a possibilidade de firmar parceria entre a URCA - Universidade Regional do Cariri, extensão de Iguatu, com a FECLI - Faculdade de Educação Ciências e Letras de Iguatu. A proposta está sendo elaborada pela Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior para ser discutida com os estudantes das duas instituições numa audiência prevista para acontecer em 20 de abril.

O governador Cid Gomes disse que o Estado possui três universidades públicas, a UECE, a URCA e a UVA, e que o governo estuda a proposta do governo Lula de instalação de uma extensão da UFC - Universidade Federal do Ceará em Iguatu. Esta mesma proposta também foi colocada pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, René Barreira.

Segundo Cid Gomes, o governo federal já anunciou três campi da UFC no interior, nas regiões, Norte, Cariri e Sertão Central. Iguatu seria a cidade do Centro-Sul a receber a 4ª extensão. Mas o governador assegurou que independente disso ele reconhece que o orçamento destinado pelo governo estadual para as universidades ainda é pequeno, e é meta do governo ampliar os recursos. Para que isso aconteça será necessário a vigoração da nova Lei do Fundeb. A partir daí o governo vai exigir também que as universidades ampliem o número de cursos gratuitos oferecidos aos estudantes. O governador disse que Iguatu poderá ser um dos primeiros municípios beneficiados com estas ações, pelo porte da FECLI e da URCA.

Cid declarou que a idéia é aproveitar a estrutura da FECLI num entendimento com a URCA para oferecer mais cursos em caráter gratuito para a população. Ele avaliou que hoje a URCA está presente no Centro-Sul com um número maior de cursos, mas sem a estrutura necessária, o que é o contrário da FECLI.

O maior reclame dos estudantes do Centro-Sul, principalmente Iguatu são os cursos oferecidos pela URCA, de Enfermagem, Direito e Educação Física, mas que são pagos. Os estudantes questionam o fato da URCA ser pública e cobrar pelos cursos. Diante da alegativa da instituição, de que fora do campus há custos adicionais, a proposta em estudo é levar a instituição para dentro da FECLI aproveitando a estrutura e oferecendo os cursos gratuitamente.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar