Jornal A Praça - O Jornal de Iguatu

Você está aqui: Notícias Política Justiça eleitoral usa emissoras de rádio para orientar eleitores

Justiça eleitoral usa emissoras de rádio para orientar eleitores

E-mail
Foto:J.GuedesO juiz eleitoral Carlos Ademá da Rocha e o representante do Ministério Público Eleitoral, promotor Antônio Monteiro Maia Júnior, participaram ao meio-dia da quarta, 01, de entrevista coletiva em cadeia de rádio formada pelas emissoras Mais FM, Tropikálya FM, Antena Sul FM e Liberdade AM. O objetivo era para esclarecer dúvidas e orientar o eleitor quanto à participação na votação que acontece amanhã, nas comarcas de Iguatu e Quixelô, onde ambos respondem pelo pleito deste ano.

A entrevista foi gerada nos estúdios da Rádio Mais FM, com geração inclusive de imagens em tempo real para a Internet. Ao mesmo tempo em que o internauta ouvia a entrevista acompanhava toda movimentação no estúdio, através das imagens enviadas por uma pequena câmera para a rede de computadores. O juiz Carlos Ademá e o promotor Antônio Monteiro estavam acompanhados do Cel. Domingos, do 7º Batalhão da Polícia Militar, que está em Iguatu fazendo parte do grupo de reforço policial, para garantir a tranqüilidade do pleito.

Os magistrados responderam as perguntas formuladas pelos repórteres, bem como dos internautas que usavam o MSN ou através de e-mails e ainda por telefone. A transmissão durou mais de uma hora. O juiz usou boa parte do tempo que teve para alertar o eleitor sobre a importância do voto. Ele também fez advertências sobre corrupção eleitoral, o combate aos ‘Vampiros da Madrugada’ - atribuição dada pelo juiz - àqueles que usam a noite para visitar eleitores e aliciar votos e a condução dos trabalhos. Carlos Ademá voltou a fazer referências à “Decisão Administrativa’ que havia sido tomada por ele na tarde da segunda, 29, e que foi revogada pela presidente do TRE, desembargadora Huguete Braquehais. Ele justificou que tomou a medida para acalmar os ânimos da campanha, motivado, sobretudo pelos atos de violência que vinham sendo registrados, envolvendo militantes das duas principais coligações que disputam a eleição. Mas o juiz disse que ao receber a decisão do TRE, com a liminar suspendendo sua decisão, tratou de cumpri-la, seguindo o que determina a Lei.

Punição

Carlos Ademá falou sobre a presença do policiamento nas ruas de Iguatu, num trabalho de caráter preventivo para evitar qualquer tipo de abuso ou fraude eleitoral. Ele garantiu que a justiça eleitoral estará vigilante a todos os acontecimentos e aqueles que desrespeitarem a legislação serão punidos de acordo com a Lei.

Estando em sua segunda eleição como promotor eleitoral de Iguatu, Antônio Monteiro Maia Júnior disse considerar tranqüilo o pleito, com ressalvas apenas para as ocorrências registradas no mês de setembro. Indagado sobre possíveis denúncias de moradores sobre atos de corrupção eleitoral, ele respondeu que muitas pessoas falam sobre ‘este’ ou ‘aquele’ caso, mas na hora de formalizar as denúncias ninguém tem coragem de fazê-las. Ele disse que o Ministério Público Eleitoral está pronto para agir desde que as denúncias sejam formais.

Em sintonia

Pela primeira vez trabalhando num pleito eleitoral em Iguatu, o Cel. Domingos, um veterano militar que integra os quadros do 7º Batalhão da PM cearense, ao participar da coletiva lembrou que os homens da Polícia Militar que estão trabalhando no reforço e as viaturas estarão circulando pela cidade, no centro e bairros, visando a inibir a ação daqueles que tentam conturbar o andamento normal do processo. “Vamos agir e agir de acordo com a Lei, para tirar de circulação, quem não quer cooperar com um pleito democrático e tranqüilo. Estamos a postos e vigilantes, trabalhando sempre em sintonia com a justiça eleitoral e os colegas da Polícia Federal”, disse.

Advertências

O juiz Carlos Ademá fez advertências para o eleitor que costuma ir para a secção usando algum tipo de material de campanha de candidato, partido ou coligação. Ele informou que não há proibição quanto a isso, só que este eleitor não poderá esboçar nenhum manifesto. “Se ele chegar lá dizendo quem é seu candidato ou em quem vai votar, estará cometendo crime eleitoral”. Carlos Ademá disse ainda que não será permitido o uso de telefones celulares dentro da cabine eleitoral, muito menos câmeras de vídeo ou foto. Ele garantiu que a justiça eleitoral está trabalhando para que tudo ocorra dentro do esperado e que antes da meia-noite do domingo, possa divulgar os resultados para prefeito e vereador nas duas comarcas de Iguatu e Quixelô.

O juiz ainda falou sobre a portaria 9/2008, que proíbe a venda e uso de bebidas alcoólicas em bares, lanchonetes, churrascarias e outros locais, medida que foi baixada na tarde da segunda, 29. Ele disse que a portaria também prevê fiscalização e até a detenção de pessoas que forem flagradas realizando visitas tarde da noite a eleitores.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar